Translate

quarta-feira, 30 de março de 2011





SÃO
      JOÃO

Caminho da procissão
o andor ladeira acima,
sobre o mesmo São João
o povo cantando
sem coro e sem rima.

Em festa as solteironas,
grande número já titias,
preparavam os papéizinhos,
para fazerem as simpatias...

Ao passarem no cemitério
o mêdo de alma penada
era agarrado Seu Eleutério,
até que gostava...Sentia-se
o protetor da moçada!...

Finalmente lagoa chegando.
Prece é feita, terço rezado.
Simpatias, tempo que voa
o santo banhado!
Na inesquecível lagoa!...

Com o caminhar orando,
simpatias e alguém molhado,
voltamos á igreja cantando,
São João comemorado!...
E ninguém com namorado!...

Até hoje na mesma lagoa,
coitado do São João!
Quando a madrugada soa,
no fim da procissão,
com raiva mergulham o coitado
Por não terem desencalhado!

24/09/05
A.C.amorim


        <<<<<>>>>>


Dança
         do
            Sol

Astro que brilha onipotente!
Sua luz faiscante aquece e germina,
a mais minúsculas sementes,
para a vida como a mesma determina!

Seus fachos resplandecem sobre as copas
das ávores, que balançam com a aragem.
Para se refrescar alguém  galopa,
e para á sombra da imensa ramagem!

Outros á beira mar com o corpo dourado,
recebendo direto seu raio atrevido.
Espalhando reflexos no mar prateado,
das ondas espumantes a se quebrar com alarido!

Ao dispersar sobre a terra o calor...aí ouso,
me espalhar sob o seu manto aquecido,
e deitar estirada me entrego em repouso,
para acalmar os meus sentidos!

Recolhendo-se por trás das colinas distantes,
como um Rei altivo guarda a esperança.
Para de novo com a aurora deslumbrante,
trazer de volta o amanhecer como criança!

A.C.Amorim
12/05/05






           





 <<<<<>>>>>

terça-feira, 29 de março de 2011





O CARRO
             DE BOI




Eia... carro de boi!

Caminhava pela estrada
gemendo sem parar!
Esse relincho no eixo das rodas,
esqueceram de engraxar!

Menino que tocava
o carro de boi,
era mesmo do mato e foi,
meu amor, minha paixão.
Quando eu ouvia o barulho
de seu carro
saltitava o coração!

Eia...Eia...Eia...
Vamos boi!...

Seu sorriso de caboclo,
mexia comigo e a moçada!
corriamos felizes para ver,
ele passar na encruzilhada!

Eia...Eia...Eia..

Ele sorridente
orgulhoso que enjoava,
de ver tanta moça ardente,
oferecidas
e eu ali nem ligava!

Ciumenta o recebia,
esperando um só olhar!
E o que ele fazia
era o carro de boi tocar!

Eia...Eia...Eia...Boi!...
Eiaaaa...eia...eiaaa...Boi!

30/07/05
A.C.amorim

               <<<<<>>>>>
NÃO VOLTAREI
        Á MINHA TERRA

Hoje sinto morrer a esperança,
de regressar a terra de minha origem.
Faço preces e imploro a Virgem,
perdoar-me, pois vim inocente criança!

           Meus ouvidos aguçam ao fados,
           vibra a alma empobrecida na falta,
          do som das guitarras e meu peito salta,
          nos corridinhos, quando vejo os bailados!

Então viajo nos sonhos e em imaginação!
Preencho minha alma vazia na recordação,
a deslocar para querida terra distante!

            Atravesso o mar em sonho e na imensidão,
            da noite profunda e na mesma escuridão,
            me sinto feliz mesmo por um instante!

05/09/2005
A.C.amorim
                     <<<<<>>>>>
          
   
Goteira

Goteira teimosa
a escorrer pela telha
morrendo no chão.

Perturba e acorda
resmunga como sempre
o arcado ancião.

Relembra bons tempos
da goteira teimosa,
que através do zinco
molhava o barracão!

E sempre pingando
ou o sol demarcando
como espada o colchão.

E a noite o luar
quando infiltrava
de leve o acariciava
preenchendo a solidão!

Agora resta é contar
os pingos caindo
a memória esvaindo
e de saudade chorar!

A.C.amorim

                            

quinta-feira, 24 de março de 2011

Sei o que vão dizer: Isto é coisa que se escreva? E pior num blog?
Onde todos lêem? Isto não é tema de poema!
Não, não é poema. Isto aconteceu e marcou bastante.
E um dia  eu estava vagando com meus pensamentos o passado e lembrei
do triste ocorrido!
Peguei um lápis e rascunhei...

JOÃO SÓ


João de que? Ou João só!...


Pára pensativo na estação,
olha para o lado desconfiado.
Não conhece ninguém
fica parado...
João saiu de sua terra e na mala,
algumas peças de roupas e balas,
desembrulha uma, a fome aperta...
Decide... uma coisa é certa.
João caminha, precisa ir em frente,
porque a fome já confunde a mente...
Turva-lhe a visão, sente sede...
onde está a água? Vê uma rede...
     Cuidado moço! Grita em voz aguda...
      É comigo? É minha mãe, mas ela é muda...
"Ah! Estou sonhando, eu vim só!
Deixei minha mãe, mulher e avó...
Quem me acena, ai que dor!"


Ih! Acho que cai! Que calor!...
Olha... um anjo veio me ajudar,
está todo de branco, que doce olhar!...


Naquela estação João era ninguém,
ali nenhum parente...Alguém aparece...
E com a pá retira os restos de João,
sem vintém espalhados no chão!
A rede que João cansado avistara,
era a linha do trem,
a fome o cegara
e terminava sua ilusão!


A.C.Amorim
28/07/2007

                     <<<<<>>>>>

quarta-feira, 23 de março de 2011

A
   NOIVA!

Vestido branco, a grinalda marcando a pureza,
entra na capela com a alma em êxtase.
A hora tão esperada brilha em beleza,
o luxo dava a todos a sensação de ênfase.

Das passadas leves mas nervosas,
no compasso da marcha nupcial,
o pai a levava e suas mãos calorosas,
apertavam a cada nota e caminhavam...

Dali em diante seria diferente.
Entregue ao homem que sempre amou,
sua rota de ilusões tão sómente
completaria sua meta.É o que sonhou!

A cauda do vestido se arrasta pelo chão,
tão longo como os sonhos a vir!
E como princesa altiva leva no coração,
esperança e amadurecimento e passa a sorrir!

As fileiras de flores nos bancos sorriem.
A união promete felicidade suprema,
se entrega ao amado tudo é perfeito,
agora feliz e forma, uma estrofe de poema!

Completa o sacerdote o ritual abençoado.
As alianças unidas são colocadas nos dedos,
o casal se beija e sela o juramento marcado,
que esse amor seja forte como o rochedo!

Os pais esperam o fim do enlace simbólico,
as lágrimas descem de alegria ou tristeza?!
Entregam sua filhinha com gesto melancólico,
e pedem a "Deus", que faça feliz sua princesa!



                          














A.C.Amrorim
13/05/2000

sexta-feira, 18 de março de 2011

Estes versos escrevi no ano de 2006, logo após o Tsumani da Indonésia. Estava na gaveta e com as últimas ocorrências do Japão, resolvi divulgar no Blog. Não é exatamente um poema,
é o que senti na época e estou sentindo agora!
Porque o sentimento é o mesmo de qualquer povo ao passar por essa tragédia; angústia, apreenção e tristeza. Só que a cada Paíz difere, talvez devido  as religiões e seus entendimentos, e o mesmo se dando a aceitação. Não sentem revolta, apenas força e fé de um novo recomeço. As vezes dá a sensação que são frios, mas o que fazer, se não há culpados, apenas, nós os humanos fazemos parte da Natureza que Deus criou e juntos fazemos parte dessa criação.E o nosso criador deu o maior poder ao Universo!

ONDAS
             GIGANTES

Estirados sobre o lençol de areia,
tranquilas, em aproveitar os momentos mágicos,
a qual a natureza os presenteia,
olham ao redor, tudo é sonho e fantastico!

A praia naquela hora impregnada de turistas,
dando afazeres aos nativos do lugar!
Pessoas idôneas, escritores e artistas,
entregam-se com a alma á calma do mar!

Ao longe as montanhas elevadas como seios,
acalentavam as águas em seu regaço.
O sol, suas espadas cortavam os anseios,
clareando a tudo enquanto no horizonte,
unem-se em um grande abraço!

Crianças espalhadas por toda extensão da areia,
constroem castelos enquanto a sonhar!
Com histórias inventadas de uma sereia,
que salvou muitas crianças da fúria do mar!
...........

Como uma fera, jogando-se sobre as vítimas,
em formato de massa homogênea e nefasta,
petrificados ficam a espera, e aproxima
o momento drástico e tudo e a todos arrasta!

Povos da beleza e do amor das ilhas,
tragados traiçoeiramente, pela natureza do lugar!
Levando sorrateira com brutalidade suas filhas,
arrancando-os dos seios o rebento a mamar!

Sem os filhos a dor estilhaça os corações,
levando a esperança, deixando tristezas e dores! 
Esperam, que ainda vivam mas as desilusões:
estiradas sem vida no arenoso chão,
ali está seu povo, seus filhos e seus amores!

Sem classe social, uma só raça um só povo,
quem sobrou renasceu á vida, e com fervor ora!
As crianças magoadas com a sereia e de novo
as invocam, para que traga de volta,
pelo menos a paz e recomeçar tudo agora!

O que resta é orar a Deus e de joelhos se reúnem,
sem saber, agradecem ou choram por suas vidas.
Mas com certeza em uma só dor se unem,
porque Deus precisava de anjos,
                         [e antecedeu suas partidas!

A.C.Amorim
ano 2006

                 <<<<<>>>>>

segunda-feira, 7 de março de 2011

Carnaval

Troquei-me, fiz a maquiagem,
olhei para o espelho e sorri.
Bati a porta com força decidida,
sem olhar para trás, saí.
Era o caminho do sonho
de minha vida!

Eu linda, as plumas
esvoaçavam em meu rosto.
A roupa colada
dileneava meu corpo,
então tomei meu posto!

Os saltos me faziam leve, flutuava!
Era um conto de fada!
O grito de guerra
o apito,
o som iniciava!

No asfalto a primeira passada!
Eu a frente da bateria, sorria!
O som aumentava,
sobre o asfalto
sambava maravilhada!

O tilintar do telefone
a fantasia jogada no chão,
levanto de camisola e chinelão.
Olhei o relógio e a folhinha,
e para tristeza minha...
"quarta feira"
sonhei!...
Com o Sambódramo
da ilusão!
A.C.Amorim
2005

                              <<<<<>>>>>

terça-feira, 1 de março de 2011









Teus
       Olhos

Olhei teus olhos profundos,
e ao fixar os olhos meus,
sentiram,
como se estivessem em dois mundos
e não consegui desviar dos teus!

Quando aprofundei
o meu olhar nos teus,
acho que em vida distante,
te encontrei e amei antes!

Aconcheguei-me em tua vida
sem saber nada de ti.
Amei e fiquei perdida,
quando te ausentaste, sofri.

Voltaste e meus olhos
retornou o brilho de alegria!
Encontraste no meu corpo,
realidade e fantasia.
Seria para sempre?
Ou talvez nem lembre,
o que te ofereci um dia!

Sem esse olhar eu não vivo.
É  luz a iluminar
o meu caminho!
Para sempre te amarei!
E na lembrança desse olhar,
é onde me aninho,
e dos outros olhares
me esquivo!


A.C.Amorim.




 <<<<<>>>>>