Translate

terça-feira, 18 de maio de 2010

O
    TRONCO
      Inerte e tosco um pedaço de você,
      estirado no chão, marron do tempo
      acho que sentes e chegas a sofrer,
      ali largado, nesse ínfimo contratempo.

Na chuva e sempre molhado,
passa os dias e sem perceber,
que estás ficando desgastado,
e o tempo está a te corroer.

      És roliço e sem querer decorativo.
      Tiram fotos em pose e até sentados!
      Ou algum nervosinho num gesto criativo,
      em sua ira por vingança, és chutado.

Outros se apoiam para amarrar o calçado,
o cadarço solto escoram-se, e até,
alguns achando que é o lugar indicado,
para seu animal fazer o xixi em pé.

      Como sofre esse redondo tronquinho!
      De uma grande árvore que enfeitou,
      alguma calçada, e hoje é só um banquinho,
      e acabar no tempo é o que restou!

A.C.Amorim

=========

segunda-feira, 10 de maio de 2010























SENHOR
              DO
                   UNIVERSO

Sentei-me no colchão macio
do alvorecer!
E a cabeça apoiada
no travesseiro das nuvens,
sob o azul do céu,
observava as garças brancas
esquecendo a solidão que o ar
emanava!...

Sonhei no infinito
e com o peito oprimido
ouvi os anjos do amor que
cantavam, dando graças
ao Senhor do Universo.

Que filha sou eu?
Se entendo tudo inverso?...

A plenitude da vida merece
cantigas de louvores...
Louvor pela vida...
Louvor pelos minutos,
que nos é concedido...

A cada instante é de Graças...

Sinto-me carregada,
nas horas ásperas
sem que eu ande com meus pés!
Deixo-me levar no colo do
Senhor do Universo!
Porque não vejo as minhas pegadas.

Então acordo e nesse alvorecer,
ainda deitada preguiçosamente,
abraço o travesseiro das nuvens
aí sim...Sinto-me viver!

23/08/06
A.C.Amorim

===================
Que adianta

De que adianta ter tudo
se contudo a alma está vazia!
Olho para o espelho e mudo,
não transparece nenhuma alegria.

Mergulhada na solidão sem fim,
uno os laços de sonhos às decepções.
Não quero que se apiedem de mim,
porque fugiu-me, as ilusões!

E de que adianta escrever tanto,
se ninguém lê o que escrevi.
Melhor é ficar no meu canto,
e não contar ao mundo, o que sentí!...

16/02/08
A.C.Amorim

================
DEIXEI-TE
Deixei-te quase sem sentido
ao murmurar no teu ouvido
palavras doce de amor.


Com meus toques atrevidos
e o ar tão destemido
ouvia no silêncio teu suspirar!...

No peito a respiração arfante;
tu eras minha e eu teu amante
ali eu era o céu e você o mar!

Mas com um erro inconcebível
me sentia forte e invencível
e terminei flutuando no ar...

Pasmo a ví com saudade
a alma ferida na realidade
do adeus e não mais voltar!...
...
Não bastava ser o rei
sendo que minha coroa,
eu não soube carregar!....

em homenagem a uma amiga, que perdeu
seu namorado.

fev/2007
A.C.Amorim
============

sábado, 8 de maio de 2010

Hoje vésperas de dia das Mães, estou deixando aqui
algumas palavras em homenagem a todas as mães.
É um simples poema que rascunhei humildemente.
E junto ofereço todas as rosas do mundo para minha
mãe e a Virgem Maria, que abençoe todas as mães
do mundo.

MÃE
Ser mãe é navegar
no rio de ternura,
e ser levada pela correnteza do amor!
Sentir o carinho da aragem pura,
que ao soprar levemente sôbre as flôres
exala, o aroma perfumado
e nos mostra a candura,
da mãe que ainda não desabrochou!

Ser mãe é andar
no roseiral da vida.
E mesmo com os espinhos,
distribuir:
a delicadeza da rosa flôr.

Ser mãe é passear de mãos dadas,
no jardim da criação.
Misturar-se no brilho
dos sorrisos inocentes
que pedem proteção.

Basta entregar-se a esses mesmos sorrisos,
fundindo um só sentimento;
(Alma e coração)!...
E acariciar com mãos aveludadas
o olhar suplicantes de alguém,
na busca de esperança...

"Não só as crianças"...

Ser mãe é apertar junto de si,
com braços gigantes,
todos os que a cerca:(Sem cobranças),
aqueles que buscam o aconchego,
fugindo das áridas caminhadas!...
E quando a idade avança,
seremos simplesmente mãe
da mãe que foi antes.

11/05/08
A.C.Amorim


========================
OS
   ABROLHOS

A água bate com insistência na encosta,
e lava com suas lágrimas o verde sopé.
Os abrolhos solitários acomodam
alguém que se posta,
olhando as águas azuis que até;
os animais marinhos sentem a vibração!

Perdido voa longe a imaginção!..

Juntam-se além do horizonte,
o reflexo do sol: "É escassa a visão".
Não deixando ver,
os pássaros preguiçosos, alongarem
suas asas em sincronia da maré.
O trotar das águas, no quebrar das ondas,
no barco a deriva
o observador em pé
medita, esquecido da vida e a hora!

A seu redor a magia do oceano aflora!
Em sua alma o desejo de ir além,
o obriga a flutuar
na imensidão dos sonhos,
e recebe o consolo também!
Milhões de fantasias o faz mergulhar,
retirando os seus pensamentos tristonhos!...

Por que esse mar!
Porque esse mar tem o direito
de caminhar ao rumo sem fim,
agasalhando o colorido da criação!?
Sendo o lugar perfeito
para viver e amar.
A pureza das águas faz fluir,
no observador, a paz na mente
em revolução!
Sonha;...
E tem inveja dos abrolhos enaltecidos,
que mesmo presos no mesmo lugar,
são previlegiados em ser palco,
de alguém vencido,
ou alguma ave desprezada ao pousar,
para o descanso ou meditação!
E sobre os mesmo
tenham o direito de sonhar!

06/11/05
A.C.Amorim

============