Translate

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Cada verso ou frase que eu escrevo sempre tem
um porque. Eu todas as manhãs fazia caminhada
no Jardim Botânico, bairro onde residia. E assim
lá estava calma e tranquila longe das mãos
humanas,(dos olhos também: pensava ela.). Eu caminhava
com o olhar fixo e a admirava! E quando
a encontrava a beira da lagoa a analisava;
sua delicadeza e suavidade. Então escrevi
essas palavras, não só para ela mas a todas as Garças!















AS Garças
         Brancas

Garça com graça
toca de leve o chão...
Espalma seus pés
com delicadeza e perfeição...
Gestos tranquilos
e leveza quase ternas;
seus pés bailam no ar
ao erguer as longas pernas!

Garça branca e branda
sobre o pé elegante descansa.
Na árvore desfolhada
o topo é sua varanda;
_Onde ninguém a alcança!
Ereta equilibra o corpo
em sintonia no ar!
Descanse graça branca,
eu a espero alçar vôo:
(Enquanto esse poema entôo!)

Garças brancas e brandas tão belas!
Vislumbro horas esses pontos flutuantes.
Ponteiam o ar essas criaturas singelas,
charmosas até nos vôo rasante!

Garças brancas seu corpo em ésse
do céu, mares e rios não desapareça
não quero te perder!
(Como se tal poder... eu tivesse!)

25/5/2005
A.C.Amorim

                   =============

domingo, 18 de abril de 2010

As   flores
                da Vida

As flores que imaginei para mim
          acho nasceram por nada.
Antes do tempo murcharam.
          E em volta o capim  
tomou conta das raízes, sugando 
          a seiva entranhada!

Restam somente no caule os galhos,
          com medo de soltarem
          e terminarem no chão.
Ainda assim, ampara os insetos
          que se escondem do orvalho,
enquanto do alto admiram a paizagem
          dando asas a imaginação!

Ah! Como queria reavivar
        as flores da vida!
Para ao menos eu ter o que contar
        futuramente.
Aos filhos de gerações vindouras
       a história vivida
de momentos mágicos que guardo
      bem vivas em minha mente.

São histórias da infância e mocidade.
Algumas puras e outras com alguma malícia!
       Coisas que tantos escondem agora
                      com a idade.
           Mas é mentira propícia,
         no faz de conta da seriedade...
                  Agora na velhice!

20/08/05
 A.C.Amorim     
        





===============

domingo, 11 de abril de 2010


CHAMA
            DO
                AMOR!

O amor é como o vento a liberar na fornalha,
sua aragem para manter a chama acesa.
Nos momentos apogiantes dedicados ao amor,
sempre há, flagrante de deliciosa suprêsa.

Unem-se as almas ao se entregarem ao que valha,
sem contar na ansiedade e angústia da espera.
Congregando o entrosamento na união das almas,
que o hormônio do amor aos poucos libera!

O amor não pode simplesmente ser de migalhas.
Ele é de cumplicidade, malícia e total pureza.
São momentos marcantes que estgna na alma,
no direito de viver um sentimento de nobreza!

A.C.Amorim
22/09/2003
                       =============
De
   minha
           janela

Quando abro a janela e deixo,
a luz do sol penetrar para aquecer,
no parapeito descanso meu queixo;
obsevo:(Como é bom viver)!

Viver é participar da noite e o dia!
É ver as arvores expelir as velhas folhas.
Sentir o calor do sol e ve-lo sorrir!

A aragem o sol e o verde esmeralda,
me fazem sentir como criança inocente.
Nesse momento a cor ouro
parece uma grinalda,
a espalhar o véo no caminhar
para seu poente!

Ainda bem que de meu quarto,
vislumbro extensa terra.
Coberto do tapete colorido de flores
a perder de vista; até a serra...
E sem ter o que fazer me farto!

A.C.Amorim
01/04/2008
           Achei nos meus antigos livros um poema que chamou a atenção. Foi de um poeta que viveu entre (1893 e 1953).
Entre os dados encontrei o seguinte artigo:
 
A queda: simbolo da decadência do homem contemporâneo.

A missão [do poeta], para Jorge de Lima, certamente era a de alertar a humanidade sobre seus descaminhos, desde a Queda.
Em todas as suas obras, são frequentes as imagens e as alusões
a ela e ao Gênesis. Os protagonistas demonstram serem personagens  incompletas existencialmente, autodilacerantes, perdidas, cheias de culpa [...] O homem contemporâneo, na visão de Jorge de Lima, o seria resultado de várias gerações, de erros e desenganos; a síntese das várias quedas, individuais e coletivas, que compõem a história humana.

(Retirado da Folha de São Paulo de 7/11/1993. Do jornalista .Willian R. Cereja.)

A divisão de Cristo

Dividamos o Mundo em duas partes iguais:
uma para os portugueses, outra para os espanhóis:
Vem quinhentos mil escravos no bojo das naus:
a metade morreu na viagem do oceano.
Dividamos o Mundo entre as pátrias.
Vem quinhentos mil escravos no bojo das guerras:
a metade morreu nos campos de batalha.
Dividamos o mundo entre as máquinas:
Vem quinhentos mil escravos no bojo das fábricas,
a metade morreu na escuridão sem ar.
Não dividamos o mundo.
dividamos Cristo:
todos ressuscitarão iguais.

Escrita por: Jorge de Lima
                    =========
Na década de 30 os poetas buscavam caminhos
que essencialmente refletissem a condição do homem em seu estar-
no- mundo. E Jorge de Lima junto com seu amigo Murilo Mendes
encontraram uma saída natural a poesia metafísica e religiosa
pois Murilo Mendes um profundo convertido católico.

POEMA
             ESPIRITUAL

Eu me sinto um fragmento de Deus
Como sou um resto de raiz
Um pouco da água dos mares
O braço desgarrado de uma constelação.

A matéria pensa por ordem de Deus.
Transforma-se e evolui por ordem de Deus.
A matéria variada é bela
É uma das formas visíveis do invisível.
Cristo, dos filhos do homem és o perfeito.

Na igreja há pernas, seios, ventres e cabelos
Em toda parte, até nos altares.
Há grandes forças de matéria na terra no mar e no ar
Que entrelaçam e se casam reproduzindo
Mil versões dos pensamentos divinos.
A matéria é forte e absoluta
Sem ela não há poesia.

Escrita por:MURILO  MENDES
(1901-1975)
              ====================

segunda-feira, 5 de abril de 2010

O que rascunho é para matar o tempo talvez, e
por isso que nos entremeios coloco alguns
poetas famosos que nunca serão esquecidos.
É para quem visitar esse espaço não se sentirem 
entendiados com os meus escritos, sempre
estou acrescentando os nossos poetas.
Hoje deixarei aqui CECILIA MEIRELES
a qual me indentifico com a poesia!
Essa tenho certeza que voces gostarão
para matar a saudade!

MOTIVO

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
_não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
_mais nada.
TALVEZ
           EU
               MORRERIA!

Morrer de amor!...Por que morreria?...
Se o que senti por você foi fascinação!
Ao som da orquestra que nos ungia,
acompanhada no compasso da valsa romantica,
aos que se entregam no prazer da dança...

Viajando com a alma e o corpo,
aonde esse mesmo desejo alcança!...

Nas batidas frenéticas do coração,
sentia-me consumida no calor que em brasa,
olhava seu rosto contraído pelo controle.
As bocas ávidas... O peito abrasa,
com o contato físico que já era pouco.

E no canto sem sermos vistos,
viajamos na paixão fumegante e como loucos,
extasiados...Paro olho com admiração!...
Acabou-se...Era amor?_ Por que morreria?...

Amor é o que preenche a alma vazia!
Mesmo na distância não sente solidão. 
É presença constante que aprazia,
aos olhos e o coração!
É sofrer unidos, ter a coragem de falar
abertos sem nostalgia!
É cumplicidade,
prestar atenção no infinito,
entender mesmo sem ter dito, 
olhar nos olhos e ver a alma, é união!

Se eu tiver provas que exista esse amor,
aí sim, de amor eu morreria.
Porque seria imensa a fantasia!...

Desse amor sim morreria!
Assim valeria a pena morrer...
Se com tão profundo amor,
só serviria para sofrer!!!

A.C.Amorim 
10/12/2005

        =========== 




A
     Chuva

As vezes
sou doce e mansa
para dar vida
e molhar a plantação

Deixo
o aroma de terra
com perfume das flores
evaporar-se no ar

Também
sou insistente
ao persistir
dias a fio
oferecendo
aragem morosa

Por fim
desço em abundância
e faço pirraça
induzindo
ao rumo incerto
quem eu fiz
naufragar

9,50hs. 5/10/2010
A.C.Amorim

                 ============