Translate

domingo, 11 de abril de 2010

De
   minha
           janela

Quando abro a janela e deixo,
a luz do sol penetrar para aquecer,
no parapeito descanso meu queixo;
obsevo:(Como é bom viver)!

Viver é participar da noite e o dia!
É ver as arvores expelir as velhas folhas.
Sentir o calor do sol e ve-lo sorrir!

A aragem o sol e o verde esmeralda,
me fazem sentir como criança inocente.
Nesse momento a cor ouro
parece uma grinalda,
a espalhar o véo no caminhar
para seu poente!

Ainda bem que de meu quarto,
vislumbro extensa terra.
Coberto do tapete colorido de flores
a perder de vista; até a serra...
E sem ter o que fazer me farto!

A.C.Amorim
01/04/2008
           Achei nos meus antigos livros um poema que chamou a atenção. Foi de um poeta que viveu entre (1893 e 1953).
Entre os dados encontrei o seguinte artigo:
 
A queda: simbolo da decadência do homem contemporâneo.

A missão [do poeta], para Jorge de Lima, certamente era a de alertar a humanidade sobre seus descaminhos, desde a Queda.
Em todas as suas obras, são frequentes as imagens e as alusões
a ela e ao Gênesis. Os protagonistas demonstram serem personagens  incompletas existencialmente, autodilacerantes, perdidas, cheias de culpa [...] O homem contemporâneo, na visão de Jorge de Lima, o seria resultado de várias gerações, de erros e desenganos; a síntese das várias quedas, individuais e coletivas, que compõem a história humana.

(Retirado da Folha de São Paulo de 7/11/1993. Do jornalista .Willian R. Cereja.)

A divisão de Cristo

Dividamos o Mundo em duas partes iguais:
uma para os portugueses, outra para os espanhóis:
Vem quinhentos mil escravos no bojo das naus:
a metade morreu na viagem do oceano.
Dividamos o Mundo entre as pátrias.
Vem quinhentos mil escravos no bojo das guerras:
a metade morreu nos campos de batalha.
Dividamos o mundo entre as máquinas:
Vem quinhentos mil escravos no bojo das fábricas,
a metade morreu na escuridão sem ar.
Não dividamos o mundo.
dividamos Cristo:
todos ressuscitarão iguais.

Escrita por: Jorge de Lima
                    =========
Na década de 30 os poetas buscavam caminhos
que essencialmente refletissem a condição do homem em seu estar-
no- mundo. E Jorge de Lima junto com seu amigo Murilo Mendes
encontraram uma saída natural a poesia metafísica e religiosa
pois Murilo Mendes um profundo convertido católico.

POEMA
             ESPIRITUAL

Eu me sinto um fragmento de Deus
Como sou um resto de raiz
Um pouco da água dos mares
O braço desgarrado de uma constelação.

A matéria pensa por ordem de Deus.
Transforma-se e evolui por ordem de Deus.
A matéria variada é bela
É uma das formas visíveis do invisível.
Cristo, dos filhos do homem és o perfeito.

Na igreja há pernas, seios, ventres e cabelos
Em toda parte, até nos altares.
Há grandes forças de matéria na terra no mar e no ar
Que entrelaçam e se casam reproduzindo
Mil versões dos pensamentos divinos.
A matéria é forte e absoluta
Sem ela não há poesia.

Escrita por:MURILO  MENDES
(1901-1975)
              ====================

segunda-feira, 5 de abril de 2010

O que rascunho é para matar o tempo talvez, e
por isso que nos entremeios coloco alguns
poetas famosos que nunca serão esquecidos.
É para quem visitar esse espaço não se sentirem 
entendiados com os meus escritos, sempre
estou acrescentando os nossos poetas.
Hoje deixarei aqui CECILIA MEIRELES
a qual me indentifico com a poesia!
Essa tenho certeza que voces gostarão
para matar a saudade!

MOTIVO

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
_não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
_mais nada.
TALVEZ
           EU
               MORRERIA!

Morrer de amor!...Por que morreria?...
Se o que senti por você foi fascinação!
Ao som da orquestra que nos ungia,
acompanhada no compasso da valsa romantica,
aos que se entregam no prazer da dança...

Viajando com a alma e o corpo,
aonde esse mesmo desejo alcança!...

Nas batidas frenéticas do coração,
sentia-me consumida no calor que em brasa,
olhava seu rosto contraído pelo controle.
As bocas ávidas... O peito abrasa,
com o contato físico que já era pouco.

E no canto sem sermos vistos,
viajamos na paixão fumegante e como loucos,
extasiados...Paro olho com admiração!...
Acabou-se...Era amor?_ Por que morreria?...

Amor é o que preenche a alma vazia!
Mesmo na distância não sente solidão. 
É presença constante que aprazia,
aos olhos e o coração!
É sofrer unidos, ter a coragem de falar
abertos sem nostalgia!
É cumplicidade,
prestar atenção no infinito,
entender mesmo sem ter dito, 
olhar nos olhos e ver a alma, é união!

Se eu tiver provas que exista esse amor,
aí sim, de amor eu morreria.
Porque seria imensa a fantasia!...

Desse amor sim morreria!
Assim valeria a pena morrer...
Se com tão profundo amor,
só serviria para sofrer!!!

A.C.Amorim 
10/12/2005

        =========== 




A
     Chuva

As vezes
sou doce e mansa
para dar vida
e molhar a plantação

Deixo
o aroma de terra
com perfume das flores
evaporar-se no ar

Também
sou insistente
ao persistir
dias a fio
oferecendo
aragem morosa

Por fim
desço em abundância
e faço pirraça
induzindo
ao rumo incerto
quem eu fiz
naufragar

9,50hs. 5/10/2010
A.C.Amorim

                 ============

sábado, 27 de março de 2010

Tudo que escrevo tem um porém;
Ás vêzes é o que outras pessoas sentem,
ou sou eu que vejo os sentimentos estampados
em suas fisionomias, então passo a viajar nas
 fantasias de minha imaginação. Acho que quero
demais...
No caso desses versos (Caminhando e Pensando), 
não o chamo de poema porque não sou poeta,
apenas rascunho.
Foi um rapaz na cidade onde eu vivia
que sem querer me deu um encontrão e pediu-me
desculpas sem ao menos perceber
que eu o havia desculpado. Embora um pouco
irritada pelo meu dia que sempre foi de correria,
mesmo assim deu para ver que seus olhos
estavam distantes.
E mesmo de longe passei a estudar seus gestos.
Mania que tenho de observar as pessoas,
e o mais engraçado que quando observo,
 pode passar ao meu lado todos de minha
convivência que não as enchergo.
Então sou chamada pela minha família
de distraída. 
            Chegando em minha residência,
não me saiu da mente o que o fazia um 
jovem bem apessoado procurando no meio
da multidão alguém. Eis que olhava de um lado
para o outro sem parar e notava-se sua preocupação.
Talvez nem seria sua namorada, poderia ser
até outra pessoa.
Mas na cabeça de quem brinca com a
imaginação sabe que sempre vem
alguma coisa.E até hoje me pergunto
será que estou certa?
Mas como não tenho jeito, lá vão
os versos que fiz pensando nele;           

Caminhando
                   e Pensando!

Caminhando pensativo e carente,
não tendo seu corpo presente,
para sentir, afagar e de repente,
apertá-lo e num beijo eloquente,
selar o seu amor tão presente.

Transferir sua alma de poeta,
na carícia maliciosa e repleta,
de loucura, frenesi e ela inquieta,
na entrega total e completa,
da mais intensa paixão que afeta,
e ser volúvel na hora certa.

Oh! Intenso amor! Intenso Amor!
Não sei se traz alegria ou dor.
Talves compense algum dissabor...
Porque na entrega total desabrochou,
a alma pura da rosa flor!
Passou então a sentir o puro amor!

Caminhando pensativo e carente,
não tendo seu corpo presente,
conforma-se em estar ausente,
com sua imaginação ardente,
percorrendo o seu corpo eloquente,
imagina que ela está a sua frente!...
...........

O caminhante distraído,
olha mas não vê ninguém.
Busca com olhar perdido,
na multidão por alguém!...

A.C.Amorim    (2004)

sábado, 20 de março de 2010

Romper
             da
                  Aurora

Aos meus olhos apraz o romper da aurora!
Que lentamante o céu torna-se cinza claro,
dissipando o véu da negra noite embora,
muitas vezes eu vi mas não enxerguei!

Suavemente o manto azul vai surgindo,
e desaparece o acizentado da noite triste!...
Os pássaros de vários lugares abrindo
suas asas. Ê a essa paisagem quem resiste?

A cantoria dos pássaros do despertar na mata,
ao fazerem revoada barulhentos a cata,
dos insetos; pois sabem que as sementes germinam ...

O sol mostra o amarelo ouro cobrindo,
toda a terra que ainda úmida
do orvalho que aos poucos vai-se esvaindo,
causado pela garoa insistente e miúda!

Senti o calor na terra toda aquecida,
estava aquecida minha alma e o coração!
Assim o amanhecer havia conseguido,
concretizar minha fonte de inspiração!

23/04/2004
A.C.Amorim